fbpx
Blog Fuxico do Sertão - Notícias de Pastos Bons e Região

Policiais militares do Maranhão são presos por envolvimento em jogo ilegal e corrupção

Polícia ainda investiga envolvimento do grupo no assassinato de um goiano, ocorrido em 2021, em um bar na Avenida Litorânea.

A Polícia Civil do Maranhão apresentou, na manhã desta segunda-feira(18), o balanço final da “Operação Barões”, que visa reprimir o crime de jogo ilegal e corrupção de agentes públicos.

A força-tarefa foi coordenada pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), com apoio de outras superintendências da Polícia Civil do Maranhão, tendo como alvos endereços na cidades de São Luís e na capital fluminense, Rio de Janeiro.

Os dados foram apresentados e explanados durante uma coletiva de imprensa realizada na sede administrativa da Polícia Civil, em São Luís, pelo delegado geral de Polícia Civil do Maranhão, Jair Paiva; o superintendente da SEIC, Augusto Barros, e pelo chefe do Departamento de combate ao Crime Organizado(DCCO/SEIC), Thiago Dantas.

O alvo da ação policial é uma organização criminosa atuante nos crimes de jogo do bicho, caça-níqueis e jogos online. O grupo é oriundo da cidade do Rio de Janeiro e que nos últimos anos tem se expandido para outros estados do país.

De acordo com as investigações da SEIC, a quadrilha era bem estruturada, contado com os “núcleos” da parte de logística e administrativa.

Ainda segundo com as investigações, os suspeitos teriam envolvimento no assassinato de Bruno Vinicius Nazon Moraes Borges, morto no dia 12 de fevereiro de 2021, em um bar situado na Avenida Litorânea, em São Luís.

As investigações dão conta que a motivação do crime teria sido por disputas de pontos de apostas e pelo fato de a  vítima pertencer a um outro grupo rival atuante na mesma modalidade de crime.

A “Operação Barões” cumpriu 22 mandados de busca e apreensão (18 em São Luís e 04 no Rio de Janeiro) que resultaram na apreensão de aparelhos celulares, arma de fogo e documentos. Além disso, dos 17 mandados de prisão preventivas expedidos pelo Poder Judiciário, 11 foram cumpridos, sendo 10 em São Luís e um no Rio de Janeiro.

Entre as prisões realizadas na capital maranhense, três são de policiais militares do Maranhão, que segundo as investigações pertenciam ao “núcleo” de segurança, responsável pelo transporte de valores do esquema criminoso.

Nestas prisões, a Polícia Civil do Maranhão contou com o auxílio da Polícia Militar do Estado.

Segundo o delegado-geral de Polícia Civil, Jair Paiva, as investigações devem continuar no intuito de esclarecer a atuação da organização criminosa.

Todo material apreendido será analisado para que sejam extraídos instrumentos informativos a serem anexados ao inquérito policial.

Via Blog Gilberto Lima

Mulher é baleada na boca e tem orelhas cortadas pelo ex-companheiro em Colinas

Uma jovem, identificada como Rita Suellen Correia Carvalho, de 20 anos, foi alvejada com um tiro da boca e teve as orelhas cortadas pelo ex-companheiro, identificado como Juan Maclaud Costa Gomes.

O crime foi registrado na madrugada desta segunda-feira (4) no povoado Cachoeira, na zona rural de Colinas, a 443 km de São Luís.

A direção do hospital de Colinas foi quem informou o caso para a polícia. A jovem tinha dado entrada no hospital com vários sinais de violência pelo corpo, com as orelhas cortadas e um ferimento na boca ocasionado por arma de fogo.

De acordo com a polícia, Juan Costa é ex-presidiário e bastante conhecido na região por atitudes ilegais.

Rita Carvalho teve que ser transferida para o Hospital Regional de Presidente Dutra.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e o suspeito, até o começo da tarde, não tinha sido preso.

Ex-ministro da Educação de Bolsonaro é preso pela Polícia Federal

O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi preso em operação da Polícia Federal (PF) realizada na manhã desta quarta-feira (22), suspeito de operar um balcão de negócios no Ministério da Educação e na liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A prisão é preventiva, ou seja, não tem prazo para ser revogada.

A polícia cumpre ainda, mandados de busca e apreensão em endereços de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e apontados como lobistas que atuavam no MEC.

A investigação mapeou indícios de crimes na liberação de verbas do fundo com base em documentos, depoimentos e um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU). São cumpridos, ao todo,13 mandados de busca e apreensão e cinco de prisões em Goiás, São Paulo, Pará e Distrito Federal.

Segundo a polícia, os pastores negociavam com prefeitos a liberação de recursos federais mesmo sem ter cargo no governo. O FNDE, órgão ligado ao MEC, é controlado por políticos do centrão, bloco político que dá sustentação a Bolsonaro.

A operação chamada Acesso Pago investiga a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do FNDE.

MPMA e Polícia Civil deflagram Operação em Porto Franco e Campestre

Na manhã desta quarta-feira, 22, o Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Porto Franco, com apoio operacional do Grupo de Atuação Especializada no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), da Coordenadoria de Segurança Institucional do MPMA, e a Polícia Civil, por meio da 10º Regional de Imperatriz, deflagraram a Operação Gauss, nos municípios de Porto Franco e Campestre.

O objetivo da operação é investigar crimes de fraudes a licitação, peculato e associação criminosa, além de possível lavagem de dinheiro, crimes praticados por servidores públicos, pelo ex-prefeito do município de Campestre do Maranhão e empresários, durante os anos de 2018 e 2019. Os atos causaram suposto dano ao erário público no valor de R$ 4.773.617,10.

As investigações foram iniciadas a partir de representação formulada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino no Município de Campestre – Maranhão, que informou à 1ª Promotoria de Justiça de Porto Franco a possibilidade de fraude no pregão presencial nº 31/2018, voltado à contratação de pessoal terceirizado, cujo certame foi vencido pela empresa Dyonatha Marques da Silva ME, denominada San Gabriel Serviços e Transportes Ltda.

Ao longo da investigação, entre os indícios de fraude identificados encontra-se: ausência de publicação do edital, inabilitação infundada da concorrente, atestados fraudulentos de capacidade técnica, insuficiência operacional da empresa em prestar o objeto da contratação, modificação da data do certame, dentre outras ilegalidades.

Além desses fatos, identificou-se que ao longo da execução contratual o contrato foi aditivado por duas vezes, sempre alterando seu valor, uma vez que o montante global de R$ 406.628,04 passou a ser o valor mensal, nos aditivos posteriores. Destaca-se que o primeiro aditivo foi assinado quando já havia sido ultrapassado o prazo de validade do contrato original.

A decisão judicial, da 1ª Vara da Comarca de Porto Franco, autorizou a busca e apreensão de documentos, veículos, dinheiro e eletrônicos nos endereços ligados à empresa contratada, servidores públicos, além do ex-prefeito de Campestre. Foi decretada ainda a prisão preventiva de um dos investigados e também autorizada a extração de dados de todos os aparelhos eletrônicos apreendidos.

OPERAÇÃO
A operação faz alusão a Gauss em referência ao príncipe da matemática Carl Friedrich Gauss, que criou a teoria das progressões. No caso da investigação, os valores do contrato e seus respectivos aditivos tiveram acréscimos injustificáveis e exponenciais, cujos valores iniciais para o período de quatro meses totalizaram globalmente a quantia de R$ 406.628,00. Já no primeiro aditivo o valor saltou para R$ 1.591.205,70, o que no período de quatro meses correspondeu a um gasto mensal aproximado ao previsto inicialmente para a execução de quatro meses do contrato.

Redação: CCOM-MPMA

Mãe e seus dois filhos são assassinados na zona rural de Balsas

Os corpos foram encaminhados para Imperatriz onde serão periciados.

Por REDAÇÃO PBN

Fonte: PORTAL DE BALSAS

IMAGENS JANETO OLIVEIRA

A polícia recebeu uma denúncia na manhã desta quarta-feira(15) a notícia do desaparecimento de Maria Aparecida de Jesus juntamente com os dois filhos: Ana Maria de 14 anos e Francisco André de 17 anos. Os dois estudavam em Balsas. A mãe trabalhava em uma locadora de veículos em Balsas.

A mãe e os filhos eram para ter retornado para a casa onde moram ontem e como não retornaram o caso levantou suspeitas e foi quando os 3 corpos foram encontrados na manhã de hoje em um matagal.

Segundo o Delegado Passada há marcas de espancamento e eles teriam sido vítimas de uma emboscada.
Até agora ninguém soube informar o que teria acontecido. O crime aconteceu na localidade Bacaba há 12 km de Balsas.

A polícia militar e a polícia civil estiveram no local também foi acompanhado pelos peritos da cidade de Imperatriz Maranhão, a polícia agora trabalha para descobrir o criminoso ou os criminosos.
Até o fechamento da matéria ainda não há pistas dos assassinos nem da motivação do crime.

Maranhão: acidente mata quatro pessoas na BR-226

Todas as vítimas fatais estavam em só veículo

Por Judson Carvalho
...

Na noite desta quarta-feira (15) um grave acidente entre uma picape e uma carreta resultou na morte de quatro pessoas no km 151, da BR-226, no município de Governador Eugênio de Barros, região centro-leste do Maranhão.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a falta de atenção do motorista da picape foi a causa do acidente. O condutor do veículo teria sido atingido pela carreta ao entrar na BR sem observar a presença de outros veículos na pista.

Ainda de acordo com a PRF, todas as vítimas fatais eram ocupantes da picape: o condutor, de 54 anos de idade, residente em Teresina, e três mulheres. O motorista da carreta não se feriu.

Nas últimas horas, ainda segundo a Superintendência da Polícia Rodoviária Federal no Maranhão, quatro acidentes foram registrados em rodovias federais no Estado.

Difusora

PF cumpre mandados contra suspeitos de faturar R$ 12 milhões em esquema de pirâmide no PI

Polícia Federal cumpre mandados no DF, em GO e MT.

Polícia Federal cumpre mandados no DF, em GO e MT.Foto: Reprodução

 

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (14) uma operação com o objetivo de desarticular grupo criminoso que praticava crimes contra o Sistema Financeiro Nacional e de pirâmide financeira (Esquema Ponzi) em diversas cidades do Estado do Piauí e em Brasília. Os investigados se apresentavam como “traders para captar economias de vítimas/investidores, a pretexto de aplicar os recursos no mercado de valores mobiliários. Segundo a PF, mais de 300 vítimas foram feitas nas cidades piauienses de Floriano, Elizeu Martins, Corrente e Teresina, além de Brasília.

De acordo com a PF, oito mandados judiciais expedidos pela Vara Federal Cível e Criminal da Subseção da Justiça Federal de Floriano foram cumpridos nas cidades de Brasília, Formosa (GO) e Cuiabá (MT), sendo um de prisão preventiva, dois de prisão temporária e cinco de busca e apreensão.

COMO FUNCIONAVA O ESQUEMA

Segundo a Polícia Federal, as investigações mostraram a captação de recursos de clientes (vítimas) por meio de fraude, com promessas de ganhos mensais de até 20% sobre o capital investido, para supostamente serem aplicados no Mercado Financeiro através de empresa não autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a captar recursos e realizar investimentos no mercado.

Polícia Federal executou mandados de prisão e busca e apreensão

Os investigados emitiram e ofereceram ao público valores mobiliários consistentes em contratos de investimento coletivo em nome de empresa de fachada, sem registro prévio de emissão junto à CVM, sem lastro ou garantia suficientes e sem autorização prévia da CVM.

O inquérito policial foi instaurado em 2022 e, até o presente estágio das investigações, a polícia apurou que a organização criminosa captou valores que ultrapassam a cifra de R$ 12 milhões, com mais de 300 vítimas no Distrito Federal e no Piauí. Além disso, restou demonstrado até o momento que os valores disponibilizados pelas vítimas para os criminosos variavam de R$ 5mil a R$ 430 mil, depositados diretamente nas contas pessoais dos investigados.

Os envolvidos devem responder por crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, Crime contra a Economia Popular, Associação Criminosa e Lavagem de Dinheiro.

A operação contou com a colaboração do Ministério Público Federal (MPF), Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Coordenação-Geral de Repressão à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro da Polícia Federal (CGRC/PF) e das Polícias Civis Estaduais das cidades de Floriano e Brasília.

O nome da operação (Alavancada) é uma referência à forma de atuação que permite ao investidor do Mercado Financeiro negociar volumes financeiros bem superiores ao que ele possui quando identifica uma grande oportunidade no mercado. Com uma pequena quantia em dinheiro, é possível ampliar os ganhos de um investimento, assim como as perdas também podem ser significativamente maiores.

Piauí Hoje

Grave acidente deixa seis mortos na BR-135 em Itapecuru-Mirim

Seis pessoas morreram em um grave acidente, no início da noite desse domingo (12), por volta das 18h, no povoado Outeiro, localizado às margens da BR-135, em Itapecuru-Mirim. A colisão envolveu um veículo de passeio e um caminhão.

De acordo com os bombeiros militar do 11º BBM, o veículo seguia de Anajatuba para São Luís. Após o estouro de um pneu, o carro ficou descontrolado e colidiu contra um caminhão, que trafegava no sentido contrário da rodovia. O impacto acabou resultando na morte dos seis ocupantes do carro, sendo que três eram irmãos. Entre os mortos está um bebê.

Ao chegarem no local, os bombeiros encontraram três corpos encarcerados no automóvel e outros dois próximos a um barranco. Uma pessoa foi resgatada com vida, sendo imediatamente transferida para o hospital regional Adélia Matos, em Itapecuru-Mirim. Ela não resistiu e também morreu.

As vítimas foram identificadas como Maria Elizabeth, Edmilson, Jaime (que faleceu no hospital), Claldenise Gomes (esposa de Edmilson), Adrian Breno (bebê) e Osório (amigo).

Os três primeiros eram irmãos. Eles perderam a mãe e outra irmã em um acidente no mesmo local em 2013. As vítimas residiam no povoado Rosarinho, no município de Anajatuba.

Com informações de Alpanir Mesquita

PARA ROUBAR UM CELULAR: Bandidos invadem residência e matam a tiros uma criança de 6 anos em Pinheiro

Uma família moradora do bairro Enseada em Pinheiro viveu os piores momentos da sua vida na noite deste domingo (29). Por volta das 21h, dois bandidos invadiram a residência localizada na rua principal da Enseada II para assaltar, mas de forma brutal mataram uma criança.

Segundo o relato da população, os suspeitos seriam integrantes de uma facção criminosa, invadiram a casa, as crianças estavam na sala jantando e um dos filhos gritou “Bandidos” com isso um dos criminosos efetuou um disparo acertado a região do tórax da criança de 6 anos que morreu no Hospital.

Os bandidos levaram alguns pertences da família, moradores da região estão na busca dos criminosos, até o momento do fechamento desta matéria não tivemos a confirmação se os mesmos foram capturados.

via Blog Kelson Vinícius

PAU NA MÁFIA ! Polícia Federal deflagrou operação Nemestrino na Terra Indígena Arariboia, cumprindo determinações do STF

A Polícia Federal deflagrou, entre os dias 24 e 25 de maio do corrente ano, ações ostensivas de fiscalização na Terra Indígena Arariboia, visando o cumprimento de uma série de medidas determinadas pelo Supremo Tribunal Federal no bojo da ADPF nº 709. Foram realizadas incursões no interior do território indígena Arariboia, percorrendo ramais detectados por alertas de desmatamento, oriundos de imagens do satélite Planet, através do Programa BRASIL M.A.I.S. Em face da invasão nessas terras legalmente protegidas, há a necessidade de fiscalizações, bem como de investigações com o intuito de reprimir os crimes ambientais cometidos, coibindo a degradação nesses ecossistemas e oferecendo maior proteção aos povos indígenas, seus costumes, tradições e meios de subsistência.

Um segundo foco dessas ações consistiu em fiscalizar estabelecimentos madeireiros situados no entorno da T. I. Arariboia, receptadores da madeira extraída ilegalmente dessa área protegida. A fiscalização foi realizada juntamente com o IBAMA, órgão ambiental competente, com vistas à constatação da ilegalidade da atividade madeireira exercida, e consequente lavratura de autos de infração e inutilização de serrarias e movelarias que atuam na clandestinidade. Essa atividade ilícita estimula a invasão no território indígena e intensifica o desmatamento e a prática de outros crimes ambientais correlatos, expondo a risco a sobrevivência da etnia indígena Tenetehara (Guajajaras), principalmente dos grupos isolados, os Awá-Guajás.

Os envolvidos poderão responder por crimes como receptação qualificada (art. 180, §1° do CPB), transporte e depósito de produto de origem vegetal sem licença válida, funcionamento de estabelecimentos potencialmente poluidores sem autorização (art. 46, parágrafo único e art. 60 da Lei 9.605/98), dentre outros.

Participaram dessas ações, juntamente com a Polícia Federal, os seguintes órgãos parceiros: IBAMA, Corpo de Bombeiros Militar (CBM), ICMBio e Batalhão de Polícia Ambiental (BPA).

A operação foi denominada NEMESTRINO, que era um deus das florestas e madeiras na mitologia romana.

Via Osvaldo Maya