fbpx

Pós-Covid: Fantástico destaca ‘atendimentos fantasmas’ em Mata Roma


Chamou atenção dos telespectadores mais atentos o destaque que o Fantástico deu ao município de Mata Roma na reportagem que exibiu neste domingo, 23, sobre possíveis desvios de recursos federais destinados a tratamento de pacientes com sequelas de Covid-19.

A reportagem completa tem mais de 14 minutos – quase metade dos quais utilizados para falar da cidade administrada pelo prefeito Besaliel Albuquerque (foto acima).

Segundo o programa jornalístico, há indícios de “tratamentos fantasmas” em quase 50 cidades maranhenses – a denúncia é do Ministério Público Federal (MPF). Mas Mata Roma chama atenção pelo volume.

A cidade tem algo em torno de 17 mil habitantes, mas recebeu mais dinheiro para tratamento pós-Covid do que todas as cidades do Rio de Janeiro juntas.

“A conta não fecha. Mata Roma tem dois fisioterapeutas no serviço público. É como se – cada um – atendesse 260 pacientes por dia”, diz a reportagem.

Na cidade, até o ano passado, eram 652 casos da doença. Mas a quantidade de tratamentos pós-Covid que aparece na lista é de mais de 34 mil.

Um dos moradores que aparecem na lista para o tratamento havia morrido antes do procedimento, e não foi de Covid. Outro era recordista, com 500 atendimentos. E afirma que não fez nenhum procedimento.

Durante a produção a reportagem, a equipe do Fantástico ainda flagrou um ônibus escolar em péssimas condições, mas rodando. E também mostrou diversos postos de saúde fechados, apesar do “recurso extra” enviado pelo Ministério da Saúde após os “atendimentos fantasmas”.

Besaliel Albuquerque foi procurado pela reportagem, mas não recebeu a equipe. Segundo um assessor, ele estaria em agenda na zona rural. E o secretário de Saúde, de acordo com o mesmo auxiliar, estaria fora da cidade.

Em nota, a gestão municipal informou que o secretário de Saúde foi exonerado, que falta dinheiro para a saúde local – por isso há postos de saúde fechados – e que uma sindicância foi aberta para apurar responsabilidades no caso.

Via Gilberto Leda

Deixe um comentário

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook