fbpx
Blog Fuxico do Sertão - Notícias de Pastos Bons e Região

Mais de 1.100 famílias já estão desabrigadas ou desalojadas por causa das cheias dos rios no Maranhão

 

Em Imperatriz, uma das cidades mais afetadas pelas enchentes, até essa quarta-feira (12), já havia 279 famílias desabrigadas ou desalojadas, o que corresponde a cerca de 977 pessoas atingidas diretamente.

para 1.126 o número de famílias desabrigadas e desalojadas por causa das fortes chuvas, que têm provocado as cheias dos rios no Maranhão. Por causa das enchentes dos rios, sete cidades do Estado estão em situação de emergência, sendo elas: Mirador, Grajaú, Barra do Corda, Jatobá, Paraibano, Formosa da Serra Negra e Imperatriz.

Segundo informações da Secretaria Municipal de Governo e Projetos Estratégicos (SEGOV), em Imperatriz, uma das cidades mais afetadas pelas enchentes, até as 15h dessa quarta-feira (12), já havia 279 famílias desabrigadas ou desalojadas, o que corresponde a cerca de 977 pessoas atingidas diretamente. No total, são 159 famílias desabrigadas, que estão sendo acolhidas em seis locais da cidade. E há 120 famílias desalojadas, que estão abrigadas na casa de parentes ou amigos.

O número de desabrigados e desalojados aumentou por causa do nível do Rio Tocantins, que voltou a subir nessa quarta, chegando a marca de 10,30 m, uma elevação de mais de três metros acima da cota de inundação.

Porém, de acordo com a SEGOV, o nível do rio deve ter subido ainda mais e o número de famílias atingidas diretamente pela enchente deve ser maior, pois, na noite dessa quarta, a usina hidrelétrica de Estreito aumentou a vazão de água na barragem para 17 mil metros cúbicos por segundo. Por isso, a tendência é que mais famílias tenham sido atingidas pela enchente. Os dados atualizados serão divulgados até as 12h desta quinta (13).

Equipes do 3º Batalhão de Bombeiro Militar (BBM), homens do Exército e Defesa Civil trabalharam durante a noite dessa quarta, para retirar as famílias das casas afetadas.

Na cidade de Mirador, o nível do Rio Itapecuru está baixando lentamente, segundo o Corpo de Bombeiros, marcando 4,67 m, até a tarde dessa quarta. Porém, apesar de ter tido uma diminuição acentuada do acúmulo de água nas vias públicas do município, alguns povoados ainda estão isolados por causa da inundação.

Ainda de acordo com o CBMMA, equipes do Corpo de Bombeiros continuam dando apoio ao município, prestando assistência humanitária às vítimas. Nos locais afetados pelas enchentes, estão sendo enviadas cestas básicas e medicamentos, que são distribuídos pelos militares e por agentes municipais.

Nas cidades de Trizidela do Vale e Pedreiras, o nível do Rio Mearim está com tendência de aumento, chegando a 5,93 m, próximo da cota de inundação.

Segundo o CBMMA, já há cerca de cem abrigos públicos prontos para receber a população em caso de desalojamento. Os bombeiros da 13ª CIBM e agentes das prefeituras já trabalham na retirada de famílias dos locais de maior risco na região.

Na cidade de Caxias, a cheia do rio Itapecuru também deixou cerca de 24 famílias desabrigadas. E a previsão é que esse número cresça com a enchente do rio, pois já choveu muito na cidade durante a noite dessa quarta.

O nível do rio chegou a 5,99 m, atingindo a cota de enchente. Segundo a Defesa Civil do município, a primeira região afetada pela enchente foi a zona rural, onde muitas famílias tiveram que deixar suas casas e em alguns povoados já há famílias isoladas. Na zona urbana de Caxias, há 8 áreas de risco, que são regiões ribeirinhas e de encosta de morros. Há quatro abrigos disponíveis para atender aos desabrigados.

Fonte – G1MA

Categoria: Política