fbpx

Mulher que comia cães é internada de forma compulsória no Hospital Regional de Araguaína


Por determinação da Justiça, a Polícia Militar e profissionais do Samu realizaram a internação compulsória de Marinez Morais da Silva, de 47 anos, em Araguaína. Ela ficou conhecida após ter sacrificado e se alimentado de vários cães.

O cumprimento do mandado de busca e apreensão contra Marinez ocorreu no sábado (11/03), na Rua 12 do Setor Itapuã, depois que ela descumpriu medidas cautelares determinadas pela Justiça para que respondesse ao processo em liberdade. A mulher foi internada no Hospital Regional de Araguaína (HRA).

A polícia informou que a mulher possui mandado de prisão pelo crime de tráfico de drogas na cidade de Tocantinópolis.

O crime de maus-tratos a animais chegou ao conhecimento da polícia depois que moradores notaram o sumiço de cães e gatos na Vila Norte e denunciaram que a mulher estaria raptando e sacrificando animais domésticos para se alimentar.

Na delegacia, a suspeita admitiu que sacrificou cerca de dez cães para consumo próprio e que as peles encontradas no varal eram dos animais mortos. Na casa dela os policiais encontraram oito cães adultos e dois filhotes vivos.

Solta na Audiência

Após a prisão, Marinez Morais da Silva foi solta pela Justiça no dia 22 de fevereiro durante a audiência de custódia.

O juiz plantonista José Carlos Ferreira Machado entendeu que a mulher precisa, na verdade, de tratamento psicológico. Durante a audiência, o defensor público argumentou que a mulher apresenta sinais de transtornos mentais e precisa de atendimento psicossocial.

“Basta observar o interrogatório da indiciada e se atentar para os detalhes narrados pelos condutores para se perceber se trata de caso de abordagem médica/psicológica, talvez até de internação, de abordagem por equipes de assistência social a fim de aferir a situação de miserabilidade da pessoa, que em casa abandonada se alimenta de animais domésticos”, argumentou a defesa.

O juiz concordou e determinou o encaminhamento da mulher para a rede de assistência social de Araguaína. Além disso, estabeleceu algumas medidas cautelares, tais como:

Deverão ser emitidos relatórios mensais de atendimento e de estudo social para o juiz competente;
Comparecimento mensal em juízo para informar e justificar suas atividades e manter seu endereço e telefone para contato atualizados;
Proibição de frequentar bares e estabelecimentos congêneres, para evitar o risco de novas infrações;
Proibição de se ausentar da Comarca por mais de 15 dias, sem prévia comunicação ao Juízo competente.

Do Af Notícias

Deixe um comentário

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook