fbpx
Blog Fuxico do Sertão - Notícias de Pastos Bons e Região

PM e advogado são indiciados pela morte de médico em Imperatriz

O terceiro suspeito preso no caso não foi indiciado por falta de provas.

A Delegacia de Homicídios de Imperatriz concluiu o inquérito que apura as circunstâncias e a motivação da morte do médico Bruno Calaça, assassinado em uma boate no dia 26 de julho.

A Polícia Civil indiciou o policial militar Adonias Sadda, que atirou no médico, por homicídio duplamente qualificado e o advogado Ricardo Barbalho por lesão corporal com aumento da pena por causa do resultado, que foi o assassinato de Bruno.

De acordo com delegado Praxísteles Martins, a qualificação dos crimes foi confirmada por análise pericial e resultado da acareação entre os investigados, que contaram versões diferentes tentando justificar o disparo que matou o médico como acidental.

A polícia também havia pedido a prisão do pecuarista Waldex Cardoso, investigado por envolvimento no crime e que suspostamente teria influenciado na ação do PM, para que ele atirasse no médico, mas ele não foi indiciado ao final do inquérito por falta de provas.

O PM, o advogado e o pecuarista aparecem nas imagens das câmeras da boate conversando momentos antes do crime e, em seguida, o policial e o advogado vão até Bruno, que é assassinado com o tiro à queima roupa.

“Nós ainda encaminhamos imagem para que a perícia pudesse analisar sobre outro foco, mas não houve prova de que havia uma determinação para essa ação e o resultado foi inconclusivo”, disse o delegado Praxísteles Martins.

O inquérito vai ser remetido ao Ministério Público, que deve oferecer a denúncia contras os indiciados.

Via Blog Gilberto Lima

Categoria: Policial